Artigo livre | 31/08/22

Sociedade do Cansaço e o estagiário de Direito

Por Maria Clara Nascentes

 

A normalização de práticas insalubres no meio jurídico como impulsionador de sensação de mal-estar ao jovem profissional.

 

Aceleração, produtividade, dinamicidade, globalização, tecnologia. Essas são algumas palavras comumente utilizadas para descrever o mundo nos últimos 20 anos. Não há dúvida que este passou por profundas transformações em suas estruturas – por meio dos avanços tecnológicos, surgem possibilidades de conexão entre diversos indivíduos e produtos de todo o planeta, com uma rapidez inimaginável para alguém que viveu há 50 anos. É devido a esse contexto de intensas mudanças que sociólogos buscam compreender e conceituá-lo, de modo a explicitar os efeitos da contemporaneidade para os indivíduos inseridos nela.

O francês Gilles Lipovetsky denota essa era como a Hipermodernidade, um período hiper, isto é, em que se vê uma intensificação de todos os valores presentes na Modernidade, como a aceleração do tempo, trabalho, consumo e produtividade.

O sociólogo Byung-Chul Han, em seu livro “Sociedade do Cansaço”, por sua vez, parte da ideia do francês para demonstrar a maneira com que esse contexto reverbera no íntimo dos indivíduos. Para ele, estamos inseridos em um mundo de excesso de positividades, isto é, valoriza-se intensamente a performance, buscando produzir, consumir, trabalhar e divertir-se da maneira mais intensa possível. O cerne dessa questão é que a sociedade não possui mais um caráter coercitivo, ou seja, não existe mais uma instituição que vigia e disciplina os indivíduos, mas sim eles mesmos realizam essa função. Dessa maneira, busca-se constantemente uma diferenciação, visualizando o indivíduo como um concorrente. Percebe-se, portanto, que essa positividade exacerbada esgota o sujeito e, devido ao individualismo, o posiciona em um espaço solitário de auto exploração, causando uma forte violência.

Assim, vemos uma sociedade permeada pelo medo, pressão e angústia, em que se impor limites ou falhar gera desprezo – o estresse, a apatia, inquietação, incapacidade de relaxamento, dificuldade de concentração, cansaço físico e mental tornam-se uma sintomática comum ao viver esse contexto, não sendo estranho ao mundo do Direito, que é marcado pelo grande volume e pela intensa rotina de trabalho em ambientes altamente competitivos. A presidente da Comissão de Saúde da OAB, Sandra Krieger, apontou que os transtornos mentais e comportamentais foram as causas de 30% dos afastamentos de advogados entre 2012 e 2018.

É nítido, portanto, que a cultura profissional da advocacia está adoecida, carecendo de um olhar humano e focado em saúde mental, em especial aos jovens profissionais e estagiários estudantes de direito. Isto porque esses estão ingressando numa esfera profissional altamente competitiva nesse contexto hiper descrito anteriormente, com todos os sintomas que o compõem. Ou seja, assim como ocorreram mudanças estruturais na sociedade como um todo, as relações de estudo e de trabalho foram fortemente modificadas pela contemporaneidade – a aula como um momento de distanciamento do estágio e engajamento ininterrupto aos estudos, com as tecnologias e informatização da vida, passa a não existir mais. Agora, o estudante pode receber demandas ou mensagens pelo WhatsApp do trabalho em qualquer momento, com exigência de respostas imediatas.

De outro lado, a maneira como o mundo acadêmico se organiza nessa conjuntura também contribui para o mal-estar generalizado – as tecnologias possibilitam cobranças de maior carga de provas e trabalhos de forma menos custosa, aumentando a carga de estudo paralelamente ao aumento das horas de trabalho. Além disso, utiliza-se o desempenho destas para classificar os alunos que visam ingressar em atividades extracurriculares ou intercâmbios, que são valiosos para o aprimoramento de currículos especializados que permitem adentrar num meio cada vez mais competitivo.

O estagiário de Direito fica cada vez mais inserido na lógica de positividade da Sociedade de Cansaço, valorizando (e normalizando) a exaustão mental e física para conseguir minimamente inserir-se de maneira bem-sucedida no mercado de trabalho. É crucial, portanto, abrir discussões acerca desse tema com um olhar crítico e não-produtivista, de modo que seja possível reverter esse cenário de mal-estar generalizado. As instituições acadêmicas e escritórios de advocacia devem afastar-se da lógica do hiper, garantindo o cumprimento da Lei nº 11.788/2008 (“Lei de Estágio”) e promovendo ambientes em que o aprendizado seja valorizado e a qualidade seja priorizada acima da quantidade, de modo a criar futuros profissionais saudáveis, empáticos e com boas relações interpessoais. É necessário lembrar que essas características contribuem para um ambiente profissional calmo e tranquilo, que futuramente pode trazer bons resultados, além de contar com advogados com uma sensibilidade aguçada para lidar com os outros e com as exigências da vida. Infere-se, portanto, que devemos ativamente buscar desincentivar a normalização de práticas insalubres da cultura de uma profissão que lida ativamente com relações humanas delicadas, de modo a diminuir os sintomas de uma Sociedade do Cansaço.

Compartilhar:
FacebookLinkedInEmail

Receba nossa newsletter